domingo, 4 de março de 2012

Sobre Janelas e Penas




O menino do adulto fechou a porta. Mas deixou a janela aberta.

Quer que o passarinho atravesse a expectativa do tempo, e voe quarto a disparar o coração dos sentidos.

Ele ali. Menino, adulto, menino. Olhando coração na boca, enquanto o passarinho se debate parede, ofega batente da porta, a questionar os sentidos.

Não sabe se voa, não sabe se lançar pela janela, não sabe se a janela é pequena demais pro tamanho do mundo.

Que aguarda.

Não, o menino não voa. Dizia do passarinho.

O passarinho menino é adulto, a janelar esse mundo.

A porta fechada do ser, adulteia o voo do menino, à espera do gato, que do muro da noite reclama as penas do mundo.


Nenhum comentário: