segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Pingando


Parte de mim se parte no canto do meu existir.
Dói se tranformo em arte a dor que só faz consumir.
O verbo, no infinitivo, medita passado, medida presente.
Futuro, que incerta escolha, turva o olhar sempre atento.
Lá, lamento do estar. Aqui, minha palavra se muda.
Ouço o som da construção e luta meu bom coração.
Estou tranquilo e só. Gestando, sonhando, Mar Morto.
O vento espera de sacudir as velas.
Mas sei que está.
Quem vai me trazer toalha?


2 comentários:

Carla Vergara disse...

Bê, a qualidade poética dos teus textos está especial! Que lindo!

seufeitosa • disse...

caro bê, parabéns pelos seus textos. são de uma beleza e sinceridade comoventes. obrigado.