segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Abrigo



Comem: oremos.
Alimentados, nus, sabedores de nossa ignorância e do sempre gostoso.
O Menino Jesus colocou, finalmente, seu pijaminha de seda, sua pantufinha, escovou os dentes e passou perfume. Penteou o cabelo. Olhou no espelho e deu um sorriso.
Abrigo.
O Menino Jesus fica na pontinha dos pés e abre a tramela do destino. É mais um capítulo da minha história. Em cada canto, desejo de fazer o melhor que posso. Em cada espaço, a espera pela música da risada de minha filha.
"Deus está no cantinho"- eu já disse.
No travesseiro do tempo, deitei para despertar. É mágico o encontro com nenhuma expectativa e toda gratidão. Porque quando mesa posta, só se quer sorver e ouvir. Cheirar e sentir.
O chão do Menino Jesus espera a cosquinha dos pés de minha filha.
Enquanto isso, vou enchendo de amor cada cantinho, cada fresta, abrindo toda janela, destrancando cada porta, cobrindo de flores e sonhos, sabores e encantos paternos,
ornuras.
Chama, Menino Jesus.
A paz, abrigo.
E pode chamar de colo.



2 comentários:

Ana disse...

Muito lindo e cheio de amor, como agora estão cheios meus olhos d'água.
Felicidade e gratidão por fazer parte da sua história e deste novo capítulo.
Há mar!

carolina gama disse...

http://www.gilbertogil.com.br/sec_disco_info.php?id=574&letra