sexta-feira, 22 de março de 2013

até há volta


Enquanto Beatriz dá seu primeiro passo, dou meu primeiro passo.

Sociabilização: a mãe da escolha. Sim, Beatriz vai aprender a escolher. Vai aprender dizer sim e não, vai saber se impor no que é certo e errado, vai ter voz e vez. Já usa o humor como arma, é reflexiva, pensadora, mesmo com 2 anos. Beatriz dá seu primeiro passo rumo a autonomia. Dá o primeiro passo na descoberta da alteridade.

Quanto tempo vai demorar? Quanto vai ter que andar?

Não importa. Como diz Paul Mulders, peregrino que conheci embaixo de uma figueira no Camino de Santiago, "lembre-se: o passo mais importante, é o primeiro".

Me lembro sempre, amigo Paul. Lembro das conversas que tive, dos passos que dei, do barulho das pedras maceradas por meu cajado. Lembro das horas, de me ditar enquanto andava, da vontade que tinha de aprender a ler. Sou atento aos sinais.

Encontrei o perdão no Caminho de Santiago. Me perdoei. Talvez a face mais difícil do perdão: o próprio. Quero crer que Robert Frost estava certo, pois minha estrada bifurcou tantas vezes... e tantas pessoas especiais ficaram nas não trilhadas por mim. Não sei se essas aprenderam o perdão. Custei a entender que isso não diz respeito a mim. Talvez todo até tenha volta. Talvez todo até seja limite a ser ultrapassado. Talvez.

Não sei quanto vai ter que andar, filha. Não importa. Nem eu. Nada importa. No nada, a potência de tudo. Se importe com o Nada. Vou caminhar agora, rumo a ti, rumo até onde o nada deixar, existir, navegar. Vou até onde o até não me encontre. Porque meu encontro é contigo. Comigo. Com quem de coração limpo e bom vier, compartilhar, somar, plantar, regar, colher.

Há mar, Beatriz, sempre. Por isso navegamos. Por isso caminhamos. Passo a passo.

Eu passo. Fica o meu Caminho, onde há mar.


Até a volta. Até há volta.




Roteiro, gravação, edição e produção: Vanderlei Timóteo



Um comentário:

Brenda Ligia disse...

Não demora muito.
Sem você, não tem graça, número um.
Bê ijo.