terça-feira, 17 de abril de 2012

Uma equação e três macetes importantes




Ei, papai! Como vai, minha filha?
Que saudades...
Sabe, ontem cheguei em casa e fui direto pro seu quarto, lhe mostrar a placa que ganhei em homenagem à minha participação na criação do Vozes de Minas, a associação dos profissionais da voz que trabalham com publicidade, minha filha. Parece que a vida é assim, tem hora que a gente começa a fazer a curva do tempo.
O que você vai ser quando crescer, meu amor? Fiquei conversando com você, pra saber das suas escolhas. A vida é escolha, filha. A gente escolhe o que quer ser, a gente escolhe o que fazer, a gente escolhe escolher. A vida tem sim e tem não, de um lado e de outro. E tem as escolhas da gente frente as respostas que a vida nos dá.
Tem uma matemática aí, que é importante demais, filha: em saber a relação entre QUERER, ESCOLHER e ASSUMIR. É mais ou menos assim:
querer + escolher = assumir.
Agora, cuidado! Nem sempre essa regra é igual a matemática. Acho que é por isso que papai já tomou bomba. Às vezes a vida é meio pentelha. Ela confunde a gente com essas variáveis. Vou lhe dar um exemplo:
De vez em quando a gente QUER uma coisa, mas não ESCOLHE. Daí, mesmo assim, temos que ASSUMIR o que não escolhemos.
Outras vezes, a gente não QUER uma coisa, mas ESCOLHE, porque acha que a vida está mandando. Daí temos que ASSUMIR o que não queremos... por isso temos que tentar conjugar o querer com a escolha, sempre que nos for possível. E ESCOLHER, sobretudo, filha, ESCOLHER sempre. Porque é muito mais fácil assumir o que escolheu do que ter que assumir o que a vida nos empurra porque tivemos medo, dúvida, fraqueza.
OK, a gente sente medo, dúvida e fraqueza, filha. Muitas vezes. Mas a vida, além de ser escolha, é aprendizado. A vida é exercício. E não caia nessa de que temos que cair pra aprender. Sim, podemos aprender quando caímos. Aliás, é fundamental que isso aconteça. Mas podemos aprender observando.
Bom, vamos deixar uma coisa clara, de uma vez por todas. Afinal, você já tem um ano e quase dois meses, já é hora de aprender isso:
Aprende-se de 3 maneiras.

  1. Experimentando
  2. Observando
  3. Meditando
Vou ser mais claro que, afinal, os pais às vezes têm essa obrigação: "experimentando" quer dizer vivenciando. Caindo, vamos ser óbvios. Tomando pancada, curtindo, vivendo, vivenciando... Pode ser bom, pode ser rico, mas pode ser extremamente doloroso (eu ia dizer foda, mas isso não seria exatamente didático, no sentido clássico da palavra). "Observando" e "meditando" você já nasceu sabendo o que é. 
Agora o seu LUDO começa a ficar mais interessante... porque conjugar QUERER, ESCOLHER e ASSUMIR com esses 3 truques que papai ensinou, vão fazer TODA a diferença. 
Talvez seja a diferença entre ter uma vida mais fácil ou mais difícil. Mais simples ou mais complexa.
E é assim.
Bom, isso é o que eu posso lhe dizer hoje. Vou aguardar você aprender a conversar (com a boca) pra nos determos mais neste assunto. Só mais uma dica: não acredite em quem lhe disser que "no final, vai valer a pena". Mentira. Vale a pena hoje. Não é no final. Vale a pena porque é com AMOR. E amor, meu bebê, é como o curinga da vida. Na dúvida, use-o. E o bom é que essa carta não acaba. 
Bem, me desculpe se o papai mudou de assunto. É porque quando você fica em silêncio quando eu falo, eu começo a passar pra fase 3, a da meditação, daí me perco mesmo (ou me acho, mas isso é outra história). Quanto mais, se você está a 2.200 km de distância... daí seu silêncio parece um pouco maior...
Enfim... bom, sei lá, pense nisso. Talvez lhe ajude a entender um pouco mais as coisas. Mas se, de tudo isso, quiser guardar só uma coisa, que seja o comecinho, quando eu lhe disse: "que saudades..."
Bê ijos do papai, que lhe ama, lhe guarda e lhe aguarda. 



Nenhum comentário: