sexta-feira, 8 de julho de 2011

Para a pequena resedá

Filha,
sua pequena resedá começou a brotar.
Tenho cuidado dela com carinho, coloquei na janela da cozinha, que lá é bem claro e húmido, imaginei que ela fosse gostar. Molho o máximo que posso, com cuidado de ver as raizes e o pequeno musgo que se encontra ao seu redor. Imagino que um dia vou ver sua mãozinha cheia d'água colocando um pouquinho de um lado e um pouquinho do outro; sonho ver você segurando seu vaso com as duas mãos, pra não cair.
Não sabia que seria tão lindo uma folha minúscula aparecer assim, em uma galha aparentemente seca.
Mas parece que a natureza está aí também pra isso, pra provar o contrário. Quem parece seco pode brotar.
Hoje, amanhã, um dia.
Talvez a espera não seja assim tão difícil de compreender.
Você brota no tempo da espera, não antes, não depois. Você semente. E eu, somente, a lhe esperar broto viçoso que maneia ao vento...

3 comentários:

Re Bevilaqua disse...

Me fez chorar...
e logo no final sorrir...

Essa plantinha teve muita sorte naquele dia, ela realmente precisava de poesia para brotar cheia de energia.

É Bê... não tenho a mínima dúvida de que ela te escolheu.

Sábia, sabia que o sábio também sabe assoviar. E nessa melodia ela te devolve o simples observar.

Orgulho de vocês. Um Bê-ijo.

Carol Nogueira Gama disse...

"quem parece seco pode brotar"...

saudades amigo querido!

segredo: tem gente que nem sabe ainda mas a gente ja sabe: que é fabrica de fazer gente!! :-)

Carol Nogueira Gama disse...

"quem parece seco pode brotar"
e vira fabrica de gente como a gente! :-)