sábado, 13 de novembro de 2010

sonhana


Ana,
seu sonho comigo re-vela.
Estou com a camisa poída.
Há buracos maiores e menores.
Sim, estou suado e cansado.
Mas insisto em colocar os pés na água, enquanto vejo a mar.
Eu tenho visto muito a mar, Ana.
Não sei exatamente a quanto tempo acompanha meu blog.
Mas se já há muito, sabe que pra mim, é A mar.
Acho mais justo.
E ouso sonhar a mar, ouso olhar a mar, ouso querer a mar,
e
independo do suor, do que é preciso fazer aqui do outro lado do condomínio, da praia, do que é revelado a cada dia e exige a luta diária.
Não estou preocupado com a limitação de quem olha e não vê a mar.
O tempo dessas pessoas vai chegar, mais cedo ou mais tarde, nesta ou em outra vida.
E amargas agruras de quem se arrepende por não ver ante(s) a mar.
Continue sonhando, Ana.
Continue sonhando Ana.
Há na
pessoa
no encanto
no canto
na gente
o de-feito de a-cre-ditar.
Dorme bem. Bons sonhos.

3 comentários:

Erica Machado disse...

Assim com há a terra, há o mar. Há mar. Amar. Como são lindos seus textos.

Erica Machado disse...

Assim com há a terra, há o mar. Há mar. Amar. Como são lindos seus textos.

Vick disse...

Tô achando uma graça nesse texto. Não foi feito pra mim, mas caiu como uma luva. Também sou Ana, também ando às voltas com isso de colocar os pés na água, de ousar, de estar suada e cansada... e de saber que não posso deixar de sonhar.
Beijo