domingo, 4 de abril de 2010

Pázcoa


(O Coelhinho da Páscoa e suas várias formas...)
Páscoa é hoje.
Amanheci escutando Gilberto Gil. E a primeira música foi "Lente do Amor".
Antes, ou via a música interna. Que entoava o amor de minha mãe, o exemplo de meu pai, a força de minha irmã. Me falava sobre a borboleta do mar, que sabe voar e de vez em quando vira estrela, bem lá no fundo do oceano, à espera da maré alta, à espera da maré baixa, vendo tudo, ouvindo tudo, todas as músicas, todos os tons.
Minha música interna me falava sobre o Tudo em minha vida. Sobre o Tudo que me faz questionar, o Tudo que aquece e desaquece os paradigmas, as crenças, os valores. O Tudo onipresente, o Tudo onisciente, o Tudo nada nonada que tantas vezes me move e por vezes me chacoalha. Tudo corazón.
Minha música interna me fala sobre o conto de fadas. Onde a Princesa finalmente olha para baixo e vê o Principe Princípio, o Príncipe Meio, o Príncipe Fim. O Princípe Principal Principiante que gosta de andar, a cavalo, e monta destemido seu Corcel de nome Sonho.
Minha música interna soa bem.
Minha música interna: por vezes conserto, por vezes concerto. Sempre Sinfonia.
Atonal muitas vezes, distoante de vez em quando, tem tons maiores e cresce ao sabor do vento que a toca. Minha música interna toca ao sabor do vento. Sou instrumento de sopro.
***
Um dia, arqueiro, flecha e alvo se misturam. Viram coisa só, diz a filosofia oriental. Um dia, perto, hoje, me confundo ainda com minha música interna e o tema principal dessa canção. Como diria Manoel, o audaz: "vamos aprender, vamos lá". E pra não deixar de citar nosso maestro, Tom ilustre, "vou voltar, sei que ainda vou voltar, para o meu lugar..."

2 comentários:

Rachel Murta disse...

Vale citar Gil no final também: "O melhor lugar do mundo é aqui e agora". Pra quem AINDA não sabe viver o presente, isso é mais do que poesia - é um jeito de viver.
Você, que vive cada momento e cada lugar como se fosse o melhor da vida, pode puxar a fila e, quem não for bobo, sai correndo atrás, ou melhor, do lado. Beijos e "sebo nas canelas"!

Bê Sant Anna disse...

Grato, Chel. Vamo que vamo!