quarta-feira, 17 de março de 2010

Lousa




De modo um tanto seguro, um tanto titubiante, escreveu na lousa enquanto a menina entrava na sala de aula:

"Minha alma é menino em sonho. E desperta acordado que somos amantes que sonham. Não acorde minha alma com água gelada da tina que só reflete o medo paixão. Toda água evapora. Beba isso."

Ela nada entendeu.

Ficou esperando resposta, queria obviedade, queria matemática, queria a razão das palavras. Ele, domesticado no interlúdio de grandes movimentos, sabia a importância da pausa, do respiro, da distância entre o zero e o um na construção algorítmica...

Ela olhou para o quadro, olhou para ele, olhou para o quadro, e não enxergou nada além da forma. Ele olhou para ela, olhou para ele, olhou para o quadro e pulou na piscina verde de letras brancas.

Nadou entre as palavras, mergulhou nos sentidos, espalhou letras. Juntou significados a nossos in-significantes sentidos. Saiu molhado de tanto desejar compreensão.

"É mais um dia de frases", pensou. E resolveu deixar o pensamento de lado, desistir de ser pensamento, dexistir de ser: pensamento.

5 comentários:

Sílvia disse...

Lindo, há que mergulhar de cabeça :)

Beijo

Bê Sant Anna disse...

Bacana, Sílvia. As palavras merecem todo o mergulho proundo. :)
Volte sempre!
Bê ijo

Sílvia disse...

E ainda bem!

Beijo

continuando assim... disse...

Convite para ler

O livro "Continuando assim...", foi maltratado...

Resolvi por isso, e porque tanta gente não encontra o livro onde deveria estar (nas livrarias), recontar a história , lá no
…. Continuando assim…

Vamos em metade da história, o livro reescrito , não está igual (nem podia) ao que foi editado.
Um obrigada especial a quem segue (pois só vale a pena assim).
A quem chega de novo, umas boas vindas sinceras. E outro obrigada .

Mais uma reflexão em relação a todo este assunto, e um conselho, se é que me é permitido:

--- quando vos pedirem dinheiro para editar as vossas palavras, simplesmente digam que não ---
Bj
Teresa

Adriane Bravim disse...

Ouve o silêncio.
O que te falo nunca é o que eu te falo e sim outra coisa.
Capta essa coisa que me escapa e no entanto vivo dela.

Tento mas não consigo captar essa coisa que te escapa Bê, mas acho que a consigo vislumbrar .

Commentaire un peu idiot, mais quand j'ai vu la piscine verte de lettres blanches, m'a donné envie de sauter.
Bisou mon ami.
tia Dri