quarta-feira, 25 de agosto de 2010

sobre rádio, desejo, medo ou paixão


Falta o Chico nessa foto. Amigo Chico Castilho, pai da linda terapeuta ocupacional que salvou meu ombro. Na foto, Serginho, Murilo Antunes, Brenda Ligia e euzinho.

Gostoso trabalhar com gente competente e atenciosa, com quem se pode confiar. Imagino que seja como o artilheiro que recebe a bola redonda na entrada da área sem marcação. Com essa equipe de rádio tem sido assim: campo bom, grama boa, bola nova. Brenda que me passa redondo, Brenda que espera livre na área. Os técnicos, experientes, cantam a melhor jogada. Os jogadores fazem sua tarefa conforme a direção: é gol. 

Tenho um tesão todo especial por áudio. Trabalho com isso há 19 anos e aprendo sempre. Eu costumava dizer aos meus alunos: pra escolher nosso trabalho, vale pensar se faríamos aquilo mesmo de graça. Daí, se faz com amor. Se faz com tesão. E tudo que a paixão leva, leva bem, na batida do peito da gente, independente do medo que se tem de tentar.

Outro dia, li num livro do Flávio Gikovate que paixão=amor+medo. Concordei com ele. Fiquei pensando quantas vezes eu perdi por não pensar assim, por não ter essa noção da paixão ligada ao amor e medo... O medo nos faz mais atentos. E de certo modo, fico pensando se no nosso trabalho não temos que ser apaixonados, ao invés de sermos apenas amorosos...

2 comentários:

Beto disse...

Cara,

Tenho gostado muito de ler o seu blog.
Este último post ficou muito bom.
Parabéns
Abraços


Roberto Reis
68
@robertoreis

Brenda Ligia disse...

E eu, além de mais amiga, cada dia viro mais fã!
Bê, obrigada por quase me matar de rir!