terça-feira, 11 de abril de 2017

Caminhando com a Ana



No primeiro passo, descendo do avião ainda na conexão em Madri, começou a nossa divertida viagem com a pergunta da funcionária da Iberia, parceira da Latam, para a senhora que levava seus pais já idosos para a Europa:
Se quedan en Madrid?
E ela:
– Mãe, ela tá perguntando se você vai querer a cadeira de rodas.

Foi nossa primeira gargalhada. Da Ana e minha. Fomos juntos para Lisboa, para de lá pegarmos um ônibus até Fátima, prestarmos nossas graças no ano jubilar, e iniciarmos nossa jornada até Santiago de Compostela, a pé, perfazendo 500 quilômetros (505km em um dos GPSs, 527 no outro).

Foi uma viagem maravilhosa e foi uma viagem maravilhosa... Por mais que as previsões dissessem do frio rigoroso que castigaria Portugal no mês de março de 2017, e que andaríamos debaixo de chuva durante os 20 dias de jornada, não foi exatamente isso que aconteceu. Era pegar o Caminho e a chuva dava trégua, quando não abria um sol das regiões temperadas, iluminando o rosto da Ana, secando minhas poças e nos trazendo o calor necessário à crença. Claro, tivemos dias até de chuva de granizo diretamente no rosto, momentos de 4º de frio e ventos desafiantes, mas nada que fizesse o medo suplantar o desejo, a esperança, a vontade, o encanto. Nas florestas úmidas da Galícia demos as mãos, ao escalar as pedras de um e de outro, superar o lodo que cobria as frestas das minhas cicatrizes, até chegarmos na clareira do pacto mútuo, onde o céu se abre para a compreensão da natureza nossa.


Ana Guimarães puxou o famoso avô materno, Soares da Cunha: ela é trova desafiante, verso acabado que rima, rica. Ela puxou o avô paterno: sabe como ninguém reunir os pares brindando em seu nome, mesmo quando já não está. Tem a doçura da avó que não conheci e a sensibilidade da avó artista plástica que canta e encanta. Ela definitivamente não cabe em si. Tanto que grita para sair, porque foi feita mignon, por natureza. Guerreira, forte sem medida, Ana desafia a desistência. Palíndromo de si mesma, é coerente na simplicidade complexa de existir e insistir. Virou madrinha do futuro casal de jovens alemães que trouxemos em nossos corações pra casa, o Martin e a Giorgina.

Cansamos. Subimos muitas montanhas juntos, descemos muitas montanhas juntos. Ela me empurrou montanha acima e me ajudou montanha abaixo. Venho tentando tomar conta da pequenice dela, hábito ligado ao macho que habita em mim, e dar conta das suas sutilezas, rito ligado à fêmea que cultivo cevando em mim.

Paiciências.

Entre muitas risadas, cuidamo-nus: não há disfarce que permaneça luzindo intacto depois de tantos quilômetros de mãos dadas. Entrelaces. Nossos silêncios discursaram perguntas. Nossas buscas amanheceram, ninamos nossos desejos, brindamos o afeto de caminharmos por tantas pessoas que precisam. Na bênção do padre André, na saída de Fátima, ele pontuou que caminharíamos por nós, por quem conhecemos e por quem sequer conhecemos. Virou nosso mantra, nossa frase diária. A força de uma peregrinação na quaresma transcende a compreensão de quem não tem fé, e acha que é só uma viagem de férias mais barata que as outras.


Oremos.

Oramos. Rezamos pra Fátima, para Santiago, para nossa família. Caminhei com minha filha no colo, caminhei com os amigos no pensamento, caminhei com os desafetos no coração. “Tudo muda, nada perdura”, já dizia Heráclito. As dores me acompanharam e o sofrimento me fez emotivo. O prazer andou comigo e a paixão me fez recolhido. Mas soube rir, chorar, inspirar, expirar. Os passos mastigavam os pensamentos que insistiam em caminhar conosco. Até que paz. Até que bem.

É uma pena ter que voltar. E me descobrir cada vez mais peregrino de mim mesmo, estrada infinda em busca do que passa, do que vai passar, do que paradoxalmente me importa e se vai, fluxo perene desse efêmero existir. 


Sou grato a Ana, seu caminho, nosso encontro, nossos passos. E que Deus tenha ouvido minhas tantas preces.

Quanto a você, mesmo se não puder me ouvir, ouça pelo menos essa música, vai lhe fazer bem.



quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Kumite do Amor


Comecei, há pouco, a dar aulas de Karate na Tônus. E, de cara, percebi que quero dar aulas para crianças e seus genitores... 

Mães e pais, filhas e filhos. 

Conversei com a responsável pela clínica de fisioterapia preventiva e reabilitação, e não foi surpresa que, explicando a minha filosofia, ela desse todo o apoio necessário. Inclusive, se prontificando a me dar suporte na promoção que eu propus: 

Pedi a ela que o pai ou a mãe que decidir fazer as aulas com seu(s) filho(s), pagassem apenas 50% do valor da mensalidade. Ela aceitou e me disse que a ideologia da clínica tem tudo a ver com isso.

Aos 9 anos, decidi sozinho que eu queria fazer Karate. E pedi à minha mãe, que me matriculou. Não havia sequer um conhecido, primo, amigo que fizesse. Isso era 100% meu. Daí sua importância em minha vida. Tenho 43 anos de idade, e é absolutamente viva em minha memória a única vez que me lembro do meu pai entrando na academia Gui Do Kan de Karate, do Sensei Roberto Linhares, não para ir me ver lutar, mas para me buscar. Eu queria tanto sentir a aprovação dele...

Em nenhum dos 6 exames de faixa que fiz, ao longo desses 43 anos, ele foi. Esse universo simplesmente não dizia respeito à ele. Nem eu participando dele. Isso foi muito difícil pra mim, durante muito tempo. E graças a isso, pude perceber a importância do que proponho hoje para a Lara Guimarães, da Tônus. Uma criança é marcada por tão pouco... e essa marca perdura ou perturba para o resto de sua vida. Não posso dizer se meu pai não esteve presente em minha formação ou nesse meu sonho particular por escolha ou por acaso - ele sempre trabalhou mais do que fez o resto todo - , o que sei, é que graças aos seus esforços e aos de minha mãe, cada um ao seu modo, hoje decidi proporcionar a pais e filhos, mães e filhas o exercício do encontro.

Sim, acho fundamental o reconhecimento da importância do significado de hierarquia, sobretudo na contemporaneidade. 

Acho rigorosamente importante edificar a disciplina nas crianças e jovens que vivem no mundo de hoje, quando o "não bater em crianças" foi lido como "quem manda aqui são eles", "eles são os reizinhos do pedaço". 

No mundo do consumo, onde e quando se institui que "quebrou, joga fora e compra o modelo novo", no onde e no quando não há limites, é ímpar construir o diálogo, exercitar o debate, promover o embate, a contenda, a disputa, mas de um jeito sadio, controlado, que visa o bem e o crescimento de cada um e dos dois... Em um lugar (dojo) em que valores individuais e do grupo são buscados a cada movimento, em cada respiração e transpiração.

Esforçar-se para a formação da personalidade (do caráter), seguir os caminhos da sinceridade (busca da verdade), cultivar o espírito de empenho (perseverança e persistência), dar importância à cortesia (às tradições, à importância do conhecimento, do saber acumulado e partilhado, da educação e princípios de bom convívio social) e reprimir atos brutais são os 5 fundamentos do Karate-do (do caminho do karateca), e o que muitas vezes, tristemente, vejo faltando no mundo e nas relações contemporâneas.

Quando menino, sonhei em ter uma filha. Quando menino, sonhei em ser faixa-preta de karate. A foto acima, um fragmento do tempo, registrado carinhosamente pela mãe de minha filha de quase 6 anos, não mostra o caminho percorrido até aqui. Muito menos o fim do percurso. Mostra uma seta amarela, um caminho a ser percorrido por pais e mães, filhos e filhas que querem fazer dessa relação mútua a alegoria da eterna batalha: do kumite - cuja a tradução é "o encontro das mãos" - que seja exclusivamente um exercício de Amor.

Sou eternamente grato ao Mestre Robertinho, ao Sensei Akio, ao Daniel, com quem também treinei tanto tempo e hoje é mestre de Jiujitsu e ao meu Mestre Maurício Braz, quem me orienta nos caminhos do karate-do até hoje.

– Oss.


Serviço: Começamos com uma turma às segundas e quartas, de 18:30 à 19:30h. 
Havendo procura, podemos montar uma turma na parte da manhã.

A Tônus Fisioterapia Preventiva e Reabilitação se encontra na Rua Cristina 1160, no bairro Santo Antônio em Belo Horizonte, MG.
(31)3292-7501 (31)9958-5775