quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Saliva




De repente, volta. De repente, encanta. De repente, cheia, de repente, vazios.
De repente em repente, rimas. Trovas. Trovoadas. Nuvens negras e solidão.
Call, Marias.
São muitas as mulheres desejo, são poucas as mães cuidado.
São vítimas delas mesmas, são sós, mesmamente alones,
alines, lucílias, letícias, lúcias, leilas, lauras, lindas, loucas.
Os dias passam sem charme quando a paixão tira férias.
Deus está no cantinho, explicou pra elas.
Daí, viram a borboleta. Daí, viram moça. Daí, viram de bruços.
Daí, rumores, humores, amores, sabores.
O tempero da paixão está sob o travesseiro do dia a dia.
Pro cure.


E o dia lambe o tempo preguiçoso, como se não esperasse a noite chegar pelada.



Nenhum comentário: