quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Eu também, Clarice Falcão. Eu também.




Só preciso dizer que o amor supera quase tudo: a saudade, a descrença, a dúvida, o erro, o medo.
Que coragem tem esse nome porque os do Cor agem.
A independer das críticas, do clima, da bomba de Hiroshima, do tempo.
Que existe suicídio amoroso. E o pior deles, Falcão, é o suicida que vive pra contar.
Mesmo que seja a sua patética ou perversa versão.





Zé Miguel é quem tem razão.

Nenhum comentário: