segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Mar



Amar cura saudade de amor. Amar cura saudade de querer. Amar cura medo de perder. Amar cura o ciúme que existiu. Amar cura amor que se partiu. Amar cura desejo desmedido. Amar cura ser traído. Amar cura até o que nem sei.

Amar cura feiura, chatisse, mal gosto, bobeira. Amar cura quem gosta de axé.

Amar cura amargura, cura as agruras da vida. Amar cicatriza ferida. Amar cura unha encravada, espinhela caída, noite mal dormida. Amar cura até o meu dodói.

Ama, amor, a todo custo. Ama, amor, o percurso, que todo fim tem gostinho de desgosto.

Amar é o que dá gosto. Tempero agridoce do encontro, amar cura a insossa existência da alma.

Rolimã da vontade, combustão da amizade, explosão do tesão, amar cura até um sonoro – "Não".

Há mar e ondas de desejo. Onde mergulho e vejo os peixes que só eu sei.







Nenhum comentário: