sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Wagner Moura, Claudio Manoel e os bonobos



Na página 48 da Revista Alfa desse mês, que tem Wagner Moura na capa, uma matéria de Claudio Manoel me chama a atenção ontem, quando li.

"Everybody macacada" foi o título escolhido. Ilustrando o artigo, uma foto (melhor do que essa que achei na internet) dos macacos bonobos que, quando correm perigo, sua estratégia de defesa é: ficarem abraçados.



Segundo Claudio Manoel, "só dá pra ser bondoso na paz e na fartura. No resto do tempo, bom é ter testosterona e saber lutar." Eis o que defende o colunista, nas poucas palavras a que tem direito no seu espaço de uma página. Entendo o que quer dizer, ou melhor, entendo o porquê de ter dito isso. Mas optei por pensar diferente. E fazer disso bandeira.

E de ontem pra hoje, sonhei com minha filha. No sonho, ela ria pra mim, me abraçava, brincávamos juntos, conversávamos. Ela, com um ano e seis meses. Ao final do sonho, minha filha me trazia uma banana...

Acordei feliz.

Quero crer que Mahatma Gandhi não concorde com Claudio Manoel. Que por mais duro que seja, o amor deve prevalecer. Que o amor vence a guerra. Que quem acredita nisso não vai caminhar para a beira da extinção, como os bonobos. Por mais cruel que a selva seja. Quero crer que Thomas Mann está certo, ao dizer que "É o amor, não a razão, que é mais forte que a morte." Porque morre-se de muitas formas. Morre-se em vida. Aliás, o pior suicídio é aquele em que a pessoa não vai pro outro lado. Fica aqui, vivinho da silva, morto, desenterrado. Se a razão manda brigar, mostrar as garras, agredir, lutar, brigar, o amor manda arrefecer, exercitar o perdão, virar mar, oceanar-se. Meus 25 anos de Karate me fizeram incorporar o Dojo Kun, que decoramos já no primeiro mês: "Esforçar-se pela formação da personalidade; Seguir o caminho da sinceridade; Cultivar o espírito de empenho; Dar importância à cortesia; Reprimir atos brutais..." 

Me dito o koan zen budista que pro-voca: da margem onde está, mova o barco que desliza sobre as águas... 

Detesto a visão de dar a outra face como sendo para bater. Dar a outra face, mostrar o outro lado, expor o que ainda não foi visto, isso sim. Com amor.

Saiba que não estou na capa da revista. Estou na matéria do Claudio Manoel, abraçado. Um macaquinho que quer fazer macaquices pra minha filha se divertir. No sonho, eu não pedi a ela uma banana. Eu só lhe disse que estava com fome. Lá, no fundo de mim, acredito que minha filha me acha um bonobo.

No bobo: bonobo.

E aproveitando o ensejo, filha, apesar de ter Moura no sobrenome, eu e o Wagner da capa temos 3 diferenças básicas:

  1. o talento
  2. o cachê
  3. a beleza (mas eu sou mais bonito*) 


(foto de celular do amigo e mestre Sérgio Mastrocola)

*segundo minha mãe.

Nenhum comentário: