quinta-feira, 26 de julho de 2012

Para... bem, era para a Fabiana.


Ei, Fabiana Ferraresi.

Levantei 3 da manhã pra lhe escrever isso, porque fiquei pensando no poema V ENTE, que dá título ao meu segundo livro. Isso está forte demais dentro de mim. Acho que a solução que a Designlândia conseguiu com o Motion Graphics, que amplia o sentido do poema, ficou simplesmente incrível. Ou, ficou incrível, simplesmente. Parece a mesma frase, mas não é. Que bom que reafirmamos a nossa sintonia artística em um trabalho cheio de amor e verdade. Amor como poucos, verdade como nenhuma outra.

Para mim, curioso é saber que essa verdade já foi questionada. Curioso é saber que esse amor já foi questionado. Curioso saber (e fazer) artístico, esse meu, que independe do outro, da questão, do amor, da verdade, da curiosidade.

Eu me levantei e peguei o computador, não porque não estou conseguindo dormir. Mas porque preciso dizer que faltou um lettering final, depois dos créditos, dizendo:

"O poema V ENTE dá titulo ao livro de Bê Sant'Anna, de 2012, produzido pela Bê com.arte artecomunicação multimeios. Este é um convite a ventar. Vente."

Queria poder dizer isso a todas as pessoas que conheço. Espero, sinceramente, que ele seja lido, que o poema que dá título ao livro seja visto e ouvido por todas as pessoas importantes pra mim. As que ainda posso fazer esse convite, as que ainda tenho algum contato, as que ainda podem ventar nesse mundo, as que ainda vou conhecer e que, provavelmente vão ventar em minha vida.

Acho que você, como poucas, no fundo sabe a importância que esse livro (e esse poema têm pra mim). É tudo da ordem do vento. Da verdade e do simples, de Deus e do amor, do sutil e do potente, do avassalador, da alma, do que move.

Sou grato a Deus por tê-las encontrado em minha vida. Você e Paola, que ventam com a Designlândia, e que fazem do seu trabalho um ato de amor.

Não sei quantas pessoas vão ler o meu livro. Não sei quantas vão ver e ouvir esse poema que dá título a ele. Mas, pra mim, isso realmente não importa. O que importa é que ele seja um convite de amor verdadeiro a quem for ler.

Curioso você ter encontrado com o objeto de amor que estartou o processo desse livro há poucos dias em um shopping. E que a desculpa do seu contato tenha sido justamente uma ferramenta multimeios como o celular e o instagram. Acho que isso é só mais um sopro de Deus. Só um suspiro Dele, que com isso me diz: fala com o Bernardo pra ficar em paz. Que vamos ventar juntos, e que o vento dele vai ser só um mensageiro do Meu, pra tocar quem precisa de sopro na hora certa, mais uma ponte possível que leva à verdade e ao amor, essas coisinhas sutis e potentes e avassaladoras e da alma, essas coisinhas que Eu inventei, e que movem... nessa coisona (ou coisoni) curiosamente mágica que é a vida...

É bom pensar que Deus fala comigo. Com a intimidade que temos, com o amor que temos, me permito.

E que ele sabe o que faz, por mais que eu não consiga nem por um mo(vi)mento entendê-lo.

Grato, Fa. Agradece a Paola e a equipe da Designlândia por mim. E pode tocar fogo pro livro ir pra gráfica. Acho que esse é o fim. E o início. Portanto, chegou a hora. Tá ventando muito no meu peito.

Bê ijos.


Um comentário:

Bê Sant Anna disse...

Fa, notou que esse é o post de número 8 do mês? ;)