terça-feira, 1 de maio de 2012

Túrgida Mente





A noite: chega de vagar.

Ela espera o dia partir.

Um sabe que a soma dá dois.

Outro, só quer saber de só mar.

Um livro que é dado de presente.

As cores da vida vão surgindo cheirosas.

O sangue das veias espalha o vermelho no corpo.

E o sal do amor tempera os braços e pernas e peitos e pelos suados dos dois.

A noite chega devagar.

Enquanto espera o dia a partir daí.

De onde move. De onde se move. Deondemovimentamsementolados, grudados, sucos.

O tempo lambe as costas da expectativa.

Salto agulha.

Cristal que adorna a nuca do soutien.

Uma gravata é nó, o tempo é dó, o desejo é só.

O sonho de voltar a amar

desperta o desejo do olhar

de quem se sabe cego

para sempre.

Antes de mais nada, tem saudades do abraçoedocheiroedomeldabocaquepinga.



Nenhum comentário: