domingo, 6 de maio de 2012

Nós, vovô, vovó, tia Biba, eu e papai.



Vovó Lili e Vovô Toi,
tudo bem?
Eu sei que sim.
Às vezes pode parecer que não, mas eu sei que sim.
Sei que hoje é um dia especial. Meu pai me contou que há 40 anos vocês se casavam e combinavam a vida que teriam juntos.
Fico feliz.
Sei que esses 40 anos levaram vocês dois até mim. Também. E me trouxeram até vocês.
Com um ano, dois meses e um pouquinho, já dá pra saber do amor, do querer, da saudade, do viver. Meu olhar de filósofa não nega, sou muito humana e muito por causa de vocês dois. Acho que meus pais estão fazendo um ótimo trabalho, apesar de todas as dificuldades. Meu pai, distante, me cuida e me ama, acima de todas as coisas. Minha mãe me trata com carinho e com cuidado. Eu espero a hora de estar com vocês e perceber novamente que as duas fatias da maçã do amor do mundo estão disponíveis pra mim, não só a da minha mãe e da família da minha mãe, mas a do meu pai e da família do meu pai.
É aí que vocês entram. Meu pai me disse em sonho que desejou muito que eu estivesse com vocês hoje. Que pediu pra minha mãe e ela disse não. Engraçado ele ter que "pedir" pra minha mãe. Isso é só agora. Ela não sabe o que está fazendo. Ela é mãe de primeira viagem e não sabe que eu tenho direito ao amor materno e paterno igualmente... Isso é comum. É um erro clássico. Mas a gente erra muito querendo acertar. Todos nós. Eu também vou errar.
Engraçado eu dizer todos nós. Fico pensando que nós são esses, na verdade.
Se dos sonhos, se da realidade, se dos medos, se dos caminhos, se da vida.
Tem muitos nós que ajudam a subir nas cordas, tem muitos nós que marcam muitas coisas, tem nós que marcam a distância e o caminho, tem nós que acabam virando um. Quero crer que é o caso de vocês, vovô e vovó.
Meu pai, mesmo, me fala muito dos nós dele.
Do tanto que chora, do tanto que reza, do tanto que sente saudades, do tanto que dói e ninguém sabe, ninguém vê.
Eu vejo. Eu sei.
Deus não faz nada à toa, eu sou criança ainda, apesar do meu olhar de adulta.
Sei que vocês estão felizes com a chegada da minha tia em Paris, sei que vocês sabem que meu pai ofereceu a minha mãe uma ida a Paris comigo pra comemorar o aniversário com vocês, já que não nos vemos a mais de 170 dias... sei de tudo. E vou saber cada vez mais. Pena que ela tenha dito não. Ia ser muito importante pra mim e pra vocês. Pra nossa família.
Mas sei do amor e do mar, que sou borboleta das ondas.
Quero que Miserinha saia em busca do sonho dele (vocês sabem que o barco do meu pai se chama Miserinha, não sabem?) e atravesse os sete mares em busca da poesia concreta, da verdade absoluta, que insistem em dizer que não existe, do amor infinito, dos tesouros, do Bem, do Bom e do Belo.
Quero que vovô passe por Paris com vovó e tia Biba e entenda que Paris está dentro de nós. Somos a cidade luz, quando quisermos, somos sonho, somos o que quisermos. Meu pai já me ensinou isso.
Quero só comemorar com vocês a beleza desse dia, a expectativa desse dia, a grandeza de suas escolhas, que nos trouxeram todos até aqui... de uma forma e doutra.
Sabe, vô, sabe, vó, eu também vou aprender a escolher durante toda a vida. E espero que saiba escolher o lado do amor, com todas as suas nuances, belezas e cavernas; que as Veredas do amor nunca secam - diz meu pai... que as Veredas do amor são só amor natural, feliz, alegre, vivo, vasto, profundo... são como o amor de vocês.
Saibam que, assim como meu pai, eu me sinto imensamente alegre por ser banhada por esse amor de vocês. Ele nos nutre, a todos, sem cessar. É fonte de vida interna e beleza estruturante, é pilar, é viço, é caibro, é solo, é imensidão do coração.
Sou grata, vovô e vovó, por vocês, por Tia Biba, por Papai.
E compartilho da nossa vontade de estar juntos, assim que der, até quando der, para nosso todo sempre agora.
Sou mais feliz por ter meu pai, e vocês três. Estamos juntos, mesmo com qualquer distância. Afinal, papai também já me ensinou, longe é um lugar que não existe. Né?

Um beijo da sua neta que lhes ama.
Beatriz! :D

Um comentário:

Márcia Nery disse...

Olha o bem que o amor paterno e materno, faz!