segunda-feira, 23 de abril de 2012

Seus dedos





Seus dedos mágicos despertam a sutileza do meu olhar.
Move-os em baile.
É pó de pirlimpimpim que tilinta espaço, que orna o tempo.
Colar de pérolas invisíveis, espalha ao vento os desígnios de existir.
Faz cosquinha na nuca da paixão, chama a minha atenção, hipnose múltipla.
Respiro o compasso das ondas dos dedos. É cedo. O sol vai nascer.
O voil da vida balança, enquanto espero a hora que dança.
Adorna e torna a me confundir, levita ser, conduz estar, renova querer.
Seus dedos envolvem a tramela do basculante do peito.
Seus dedos entornam óleos motivos nas gretas que levam ao coração.
Seus dedos arranham a espera do encontro.
Em baixo da unha, minha pele que pede pelo apelo.
Sou zelo. Sou selo. Sou só, eu, em busca da ponta apontada do seu dedo para mim.



6 comentários:

Renata disse...

Das melhores coisas suas que já li.
De suspirar.

Bê Sant Anna disse...

Sou grato por ler e mais ainda por comentar, Renata.
Grato e feliz. Que sei dos seus tantos dons relativos.

Renata disse...

Não há de quê, Bê.
Que tem sua origem na expressão
"não tem porquê".
Ou quase isso.

Re Bevilaqua disse...

MUITO lindo Bê.
Mas assim... MUITO.
Beijo, quero o meu livro!

Bê Sant Anna disse...

Que bom ouvir isso, Rê! Em breve, notícias!!!
Ele deve entrar na gráfica semana que vem... o que quer dizer 15 dias! :)
Bê ijooooos

Re Bevilaqua disse...

Viva!
Que seja impresso com pó de pirlimpimpim! ;)