sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Tango-me


Tango-me.

Mãos e pés. 

Sinto mais falta dos pés. Pés que dançam na noite escura, blackout de nós, embaixo do edredom. 
Queen size, our size, no size. 

Edredom de roçar, encaixado, dom de colar, enrolado, casulo o casal.

Tempero da noite, temprano sono, dizzy love, diz se ama.
Por favor, não me engana.

Astor a nos visitar, vultos que não dormem, mas sonham. 

Dança nas estrelas do quarto, fractais dos desejos molhados, enlaçados, atolados, expurgada a realidade crua. Pele morta em baixo da unha. Somos mais do que carne nua. Incrustados, bocas que mordem carinhos. Enluados, nossas tantas marés.

A noite se confunde com o dia que habita em nós. Nossos nós.

Nós, bandoneón. Os lustres exibem os corpos friccionados na lisa pista, o bandoneonista se curva ao nosso eterno rodopio. Dança que não acaba nunca, rosa vermelha de desafios. Fecho meus olhos e ouço baixinho seu coração. No compasso da música, o reflexo do piso encerado é só movimento de coxas, de panturrilhas. Me encilha. 
Tenso, meu olhar. Livre, meu amor. Un rato, e seu salto agulha me arranha a calça, un paso, e estou diante do meu abismo. 

Sou profundo. Vasto. Enorme. Vazio.

Por um fio, pendo. 

Só ar, e pendo.

Abraçados, finalmente dormimos até o dia raiar e nossa nova e eterna noite chegar. Queria fazer da nossa noite eterna, uma noite e terna...



Nenhum comentário: