segunda-feira, 9 de maio de 2011

Olhos atentos

Seus cílios estão crescendo.

Ganha forma o meu a-mar. Mecha loira, mexe comigo.

Sem coordenação motora, sem vício, sem sentido, explora o mundo com o olhar atento e à toa. Por um triz, fui feliz. Bochechas, contrações que me fazem sorrir, o mesmo segundo dedo do pé que insiste em encavalar no dedão. Coisas e coisas.

Como diria meu bom e velho amigo que decidiu partir pra sempre:
peixe-peixe.

A língua que estala no céu da boca. O olho que aperta quando ri. A cabeça virada pra dormir.
Amanhece o mundo quando acorda, principia, dá licença que a hora é de fim de mundo e de noite, apenas. O beicinho estimulado faz plec plec plec. Só quem sabe que sabe.

Quero a não palavra. Quero continuar a lhe ouvir silêncio, enquanto escuto só meu coração que anuncia chegada, princípio, desejo, amor, sublime e terno. Seu jeito de não se comunicar resolve todas as minhas aflições. Nunca a não palavra foi tão compreendida por mim, substancialmente. Materialmente. Sutilmente.

Água, olhos arregalados, pés juntos, coração calado. Escuta: só o tum tum faz sentido agora.

6 comentários:

Marcela disse...

Coisa linda :)

Rachel Murta disse...

Isso é que é amor, né?

Rachel Murta disse...

Isso é que amor, né?

Brenda Ligia disse...

Que sorte tem vc! Um presente de Deus.

Carol Nogueira Gama disse...

eita papaizão!

Temporada perfumada disse...

Adorei seu blog!!! estou seguindo. segue o meu também?
www.temporadaperfumada.blogspot.com