quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Quando a flor fala e diz


Flor que primavera sempre,
brota imaginada,
imagem e nada,
tudo possível,
encantada,
vem cá ver,
pra acreditar...
E a flor me disse, sobre esperar chegar:
"O umbigo da alma bem na sua mão!"
E eu disse pra flor:
"Gosto de dizer você. Você faz bem em minha boca."
E ela:
"Gostaria de ter sido dita assim, desde pequena, desde antes concebida... será que fui?!?
Se não fui, agora vou dizendo, pra ver se eu me lembro, pra ver se a memória criada tem a mesma validade...
Quando eu tiver sem água, me rego de você,
palavrágua.
Quando estiver linda, te enfeito,
buquêu..."

E toda terra página espera texto planta, semente do dentro da gente, que encantobrota, entoa, entorna, proliflora até tomar tudo com seu aroma, arame, aramoroso, aramado, arloveyou.


segunda-feira, 25 de outubro de 2010

PertenSente



tempo
tem pó
tem tempo
tem dó

tem sentido
sem ter tido
ou ter sido
escolha

escolhido

contratempo
do tempo
é mó

mói moinho
mói caminho
mói o nó

e só

tempo
tem pó
mas tem tempo
que renova
de esperança
e comprova
infinitudionimante
o Presente a Deus pertence




foto tirada por mim no meio do mato, onde parece não haver nada...

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

pequenas notáveis

Bárbara é uma das minhas pequenas notáveis. Graças a ela, coloquei esse adesivo no meu celular. Adesivo de criança, de uma menininha branquela de tudo, com os cabelos pretos de tudo, com uma pinta que é tudo na bochecha segurando dois gatos. Um azul e o outro branco.
Não há palavras que expliquem esse adesivo no celular desse marmanjo aqui. Não há palavras que expliquem muitas coisas. Por isso, se quiser só ver o que está na foto e não ler o texto, tudo bem. A interpretação é da pessoa mesmo... a gente só ouve o que quer ou o que consegue. Da mesma forma a gente só lê o que quer ou o que consegue. Ah... fica só com a imagem de um marmanjo segurando um celular com o adesivo de uma menininha segurando dois gatos. Quem sabe sua interpretação não é favorável, né?!?
Em tempo: estou aguardando outra pequena notável que vai me adesivar dos pés à cabeça.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Versão apresentador:




clique:







segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Minas são muitas mesmo.


Sobre os mineiros do Chile, pensei em postar um pensamento de Shakespeare, não sei se bem ou mal traduzido, já que não tive acesso ao original, que passou uma outra vez aqui:

"Poderia viver recluso em uma casca de noz, e ainda assim, ser rei do espaço infinito."

- acho que foi bem isso mesmo.

Não consigo me imaginar ficar 1 dia, ainda mais 69 dias debaixo da terra. Você já parou pra pensar nisso?!? A grandeza desses homens passa pela necessidade e pelo amor à vida, mas passa também por uma mineração interna. Só cavucando muito bem cavucado o espaço infinito que existe dentro de cada um deles que se consegue achar a força necessária pra resistir, bravamente, ao que cada um deve ter passado ali dentro, confinado em si mesmo.

Eu, que busco garimpar aqui dentro oco, muitas vezes eco, me perco no vazio de mim em busca de outra saída. Às vezes basta sentar numa pedra, chorar um pouco, pedir a Deus e não ligar pros calos vítimas da terra.

Picareta?

Não, nem pá de areia de menino de praia. Melhor não. Lúdico demais pros torrões que encontro muitas vezes.

Não queria, tenho medo de me acostumar com a terra embaixo da minha unha.

Salve!, salve!, mineiros de todas as partes.


sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Cá.


Ele não obteve resposta. Achou um cartão seu de natal e lembrou de tudo.
Viu todo o carinho em suas palavras e pensou que só o amor é mais forte que a razão.
Lembrou de quando tudo fez sentido, de suas palavras, do que queria dizer e escreveu em letras sofridas em sua caderneta de viagem. Pensou que as coincidências não existem e que nada faz mais sentido que o completamente sem sentido. Sabe que tudo muda, nada perdura, como diz Heráclito, e que o amor verdadeiro transforma, mas não morre. Entende que não há nada mais aconchegante que as noites juntos, já compassadas pelo costume. Pensa que as gargalhadas brincalhonas podem não morrer, e que os sorrisos tímidos têm verdades compartilhadas. Espera que o tempo passe e que não seja eterno enquanto dure, pois a chama interna não depende de oxigênio, só de dois corações que pulsam sangrando. O tempo é remédio das dores. Só espera quem sonha com o tesouro.
Ele, Adam. Ela, Eva. Ele é terno. Ela, cá, minha.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Para minha Amiga Cris Vieira

...daí, eu escrevi pra minha amiga:

"Tudo vale a sorte, se a alma permite a morte. Quando não temos medo de perder, é muito fácil arriscar ganhar... mas só se descobre isso quando se entende que se morre um pouco a cada dia, que a morte é a comprovação da vida, seu sumo, depois de espremido..."

Essa foto que adoro, é de Magdebourg, na Alemanha. De quando visitei minha amiga Cris. À época, eu estava treinando pra Maratona de Paris, coisa que fiz, que me deu prazer, que despertou meus sentidos pra novas descobertas e desafios. A Cris aprendeu, sabe. Apesar de eu não ter escrito isso acima pra ela, ela sabe que o que nos movimenta nos mata, um pouquinho a cada dia, e que isso que é bom; gastar um pouco a bateria da vida do que ficar sentado "no trono de um apartamento com a boca escancarada cheia de dentes...", já que assim, não se espera a morte, se espera a vida, que não chega nunca. Só correndo atrás da morte vivemos, só morrendo um pouquinho a cada dia vivemos, só espremendo o sumo da vida sentimos seu sabor agridoce e experimentamos como é treinar e correr uma maratona, andar 850km ao lado de si mesmo, olhar no espelho e ver: não a imagem que queremos, mas a imagem que está lá. Sem o photoshop dos sonhos, sem o véu da ilusão.

Quero morrer o dia de hoje. E, se amanhã vivo, vou querer morrer o dia de amanhã. Afinal, minha querida, bela, profunda e sábia amiga Cris Vieira, todo o dia, quando acordo, eu digo: "Another day in paradise! Eu, vivo, hoje, o meu presente!"

Saudades tantas, Cris.



domingo, 10 de outubro de 2010

madrugada

4:17h.
Acordei 2h.
Estou com insônia até de escrever: calor, frio, preguiça, medo, desânimo, saudade, pernilongo, sede, vontade de fazer xixi, vontade de dormir, vontade de sonhar, vontade de sonhar, vontade de dormir, vontade de sonhar, pensamentos repetitivos, sede, medo, frio, calor, saudade, pernisânimo, vontade de preguiça, vonmir de calixi, sotade de frido, sedade, predo, desôr, , , , , , ,



quando eu amanhecer como o dia, vou raiar o mundo todo.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

adendo


"O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. O que Deus quer é ver a gente aprendendo a ser capaz de ficar alegre a mais, no meio da alegria, e inda mais alegre no meio da tristeza! Só assim de repente, na horinha em que se quer, de propósito - por coragem. Será? Era o que eu às vezes achava. Ao clarear do dia." GS:V pg.290,291

...é que eu não podia deixar de postar isso hoje... até porque, amanhã o dia vai clarear...

Soares de Moura




Minha mãe escolheu que eu usasse o MOURA. Se ela tivesse escolhido seu outro sobrenome, eu seria homônimo do heterônimo de Fernando Pessoa. Essa é uma das coincidências que adoro em minha vida.

"Sê todo em cada coisa". E, quem sabe, mesmo as coincidências lhe indicarão o caminho...

Em tempo: a exposição de Pessoa no Museu da Língua Portuguesa está muito bem feita.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Elas sabem.

do novo amor, do novo sentido
novo explicado sem motivo.
do novo gosto de gostar
e aprender
do sentimento de estar
e se envolver.
da música da gente, moleca, estridente
da cor maturada no embornal





juntos cavalgamos rumo ao pôr do sol
e nos amanhecemos.

vendaval.



energia na crença
mãos dadas na lama
sonhando juntos
elegantes
quem nos chama?
é a vida que vira mais uma esquina.
a causa nobre que nos fez caminhar conduz não só o jeito de olhar
e sentir.

vale a aposta
vale a proposta
vale amar
meus dois amores que chegaram há pouco.
ouso interpretar
e conduzo o gosto:
estão dispostas?
na agridoce existência de talentos envolventes
as meninas comprovam brincantes
sua verve sonhadora
apaixonantementemuito.

sou grato, meu Deus.