terça-feira, 14 de setembro de 2010

Quando ouvir faz toda a diferença.


Dis Quand Reviendras-Tu ?


Voilà combien de jours, voilà combien de nuits,
Voilà combien de temps que tu es reparti
Tu m'as dit: "Cette fois, c'est le dernier voyage"
Pour nos cœurs déchirés, c'est le dernier naufrage
Tu m'as dit : Au printemps, je serai de retour
Le printemps, c'est joli pour se parler d'amour
Nous irons voir ensemble les jardins refleuris
Et déambulerons dans les rues de Paris!"

Dis, quand reviendras-tu?
Dis, au moins le sais-tu
Que tout le temps qui passe
Ne se rattrape guère...
Que tout le temps perdu
Ne se rattrape plus!

Le printemps s'est enfui depuis longtemps déjà
Craquent les feuilles mortes, brûlent les feux de bois
À voir Paris si beau en cette fin d'automne
Soudain je m'alanguis, je rêve, je frissonne
Je tangue, je chavire, et comme la rengaine
Je vais, je viens, je vire, je tourne, je me traîne
Ton image me hante, je te parle tout bas
Et j'ai le mal d'amour, et j'ai le mal de toi

REFRAIN
J'ai beau t'aimer encore, j'ai beau t'aimer toujours
J'ai beau n'aimer que toi, j'ai beau t'aimer d'amour

Si tu ne comprends pas qu'il te faut revenir
Je ferai de nous deux mes plus beaux souvenirs
Je reprendrai la route, le monde m'émerveille
J'irai me réchauffer à un autre soleil
Je ne suis pas de ceux qui meurent de chagrin
Je n'ai pas la vertu des femmes de marins

REFRAIN

Veja quantos dias, veja quantas noites

Veja há quanto tempo você partiu

Você me disse: desta vez é a última viagem

Para nossos corações rasgados, é o último naufrágio

Você me disse: na primavera eu estarei de volta

A primavera, é bonita pra se falar de amor

Nós iremos juntos ver os jardins floridos

E vagaremos nas ruas de Paris

Diga, quando você volta?

Diga, pelo menos você sabe quando?

Que todo o tempo que passa

Quase não se agarra

Que todo o tempo perdido

Não se agarra mais

A primavera se foi há muito tempo

Quebram as folhas mortas, queimam as lenhas

A ver Paris tão bela neste fim de outono

Subitamente eu me esvaeço, eu sonho, eu arrepio

Eu vacilo, eu reviro, é como o refrão

Eu vou, eu venho, eu viro, eu giro, eu me arrasto

Tua imagem me assombra, eu te falo baixinho

Eu sofro do mal de amor, eu sofro do mal de ti

refrão

Por mais que eu te ame ainda, por mais que eu te ame sempre

Por mais que eu ame somente a ti, por mais que eu te ame de amor

Se você não compreende que é preciso que você volte

Eu farei de nós dois minhas mais belas lembranças

Eu retomarei a rota, o mundo me encanta

Eu irei me aquecer em um outro sol

Eu não sou daqueles que morrem de tristeza

Eu não tenho a virtude das mulheres de marinheiros

refrão

2 comentários:

Bê Sant Anna disse...

Claro que falta poética nesta tradução, pra que ela fique mais adequada à língua nossa. Mas só está aí pros mais curiosos que não têm tanto domínio do francês, já que o objetivo do post é de ouvir, como indica o título...
Boa terça-feira.

(hoje é terça, né? Há tantos dias sem final de semana, estou um pouco sem noção...)

Rachel Murta disse...

Pessoa sem final de semana, mas cheia de poesia,

Saber ouvir é uma grande virtude e um exercício precioso na existência. Melhor ainda é saber ouvir quem sabe falar.