domingo, 29 de agosto de 2010

você mesmo


manto de amor.
são onze horas da manhã.
onze horas, onze oras.
ouço os passarinhos todos do mundo, cantando, tantando.
voam em mim, gaiola aberta de sonhos.
lá, resolvi fazer meu ninho.
meu tiquinho.
o sol brilha folhas verdes e ela desdá a mão do namorado.
- nem quero mostrar pra ele que é meu namorado.
vôo pro Rio, vôo prum fio.
ouço a perereca que chia na caixa d'água.
tempo.
o vento balança o ser.
os passarinhos brigam na vasilhinha de alpiste.
e meu peito seca que o sol bate, evapora a poça d'amor.

Um comentário:

Branca disse...

Nossa que lindo!! Acho que foi um dos mais lindo que li nos últimos tempo.
Doce e lindo!