segunda-feira, 21 de junho de 2010

nova mente?

Pele.
de dentro e de fora.
Pêlo.
de dentro, do centro.
Aquilo que foi, não encontra motivo. Queria algo novo, diferente, somente.
Unicidade única.
Unipaís, unicontinente, unimundo, universo, Uni.
Única mente, infelizmente e lhe faz poído.
Arrasado, fudido.
Não encontra reflexo nos seus cacos.
Antes, via bolas de natal quebradas,
todas vermelhas, aos cacos e see via em todas elas...
E mesmo assim era natal.
Mesmo assim era bom, era belo, era sonho...
Hoje, só uma confusão de sentidos, humilhação do vazio,
fastio,
repugna ao toque, retoque, dê-lhe um desvio.
É muita dor de garganta.
É muita agressão a quem sonha.
Crudelíssima vida, que expulsa, faca afiada na língua,
joelho ralado nas manhãs sem mães.
Desencontro.
O circo vazio se encontra.
Ele, palhaço, no meio do picadeiro chora.
Esmola.
e a terra assola a vontade de voar novamente.

Nenhum comentário: