domingo, 30 de maio de 2010

Queda livre

Ainda machucado, levanta-se ao cair da janela.
Limpa o pó, bate a terra, tosse.
Inspira.
Está vivo.
Foi por pouco dessa vez. Muito pouco.
Pensou em pular da ponte, mas já estava em queda livre, caindo da janela.
Esfola as mãos, o peito, a boca, a bochecha e abaixo do pescoço, onde costumava haver carinho.
Inspira.
Inspira de novo.
Abre os olhos.
E não acredita no que vê: está no Caminho de Santiago, sua roupa agora é outra, seu peso agora é outro, sua força, sua bênção. Sabe que suas chagas serão curadas pelos primeiros peregrinos que passarem. Com cuidado, com zelo, com cuidado.
Reflete amor. E acredita. E sabe.
O perdão passa por ali, oferecendo ajuda.
Aceita.
E a dor vai embora no lombo vasto e tranquilo do perdão.
Começa a ouvir: e descobre atônito que é vida, pura e simples e sente saudades das coisas boas. Tudo levou até ali. Levou tudo até ali.
Lavou tudo até ali e sorri.
E decide Caminhar, para ver conjugado o verbo amar.

3 comentários:

Marcela disse...

"O perdão passa por ali, oferecendo ajuda.
Aceita.
E a dor vai embora no lombo vasto e tranquilo do perdão".
:)
Também estou caminhando e vou levar comigo essas palavras, ta?
Aliás, adoro isso, que eu recebo as minhas mensagens cada vez mais em mídias diferentes :) O universo não é incrível?
Estou experimentando um blog, passa lá depois: http://animandoideias.blogspot.com/
Bjs!!
Cela.

Joe disse...

Voce e suas ideias me deram um novo ar, e até hoje o que venho fazendo, da forma como venho fazendo, partiu do dia em que te conheci. Voce me ajudou a escolher meu caminho!

grato, joe!

Bê Sant Anna disse...

Joe,
tudo está escrito e inscrito em você, né? Você sabe disso, assim como seu lindo pai. É só aprender a ler.
Bê ijos do amigo que caminha ao seu lado.