quinta-feira, 11 de março de 2010

Miquen


















-"Esse é pra vocêêêêêêêêê, vovóóóóóóó!!!!" - gritou Henrique, enquanto caia de joelhos, deslizando enlouquecido pelos gramados do campo de futebol, junto ao alambrado onde estava Vânia, sua avó.

Meu primo.

Henrique é meu primo de terceiro grau. Sua vó, Vânia, é minha prima. E Renata, sua mãe, minha prima de segundo: ela sim, quase da minha idade.

Hoje minha mãe me disse: tá na hora de você ter um filho, meu filho.
...
Se a pausa em sua vírgula fosse um pouco maior, eu ia achar que ela não queria um neto, e sim, outro filho. Isso seria constrangedor, principalmente sendo eu o filho único dela.

FilhO.

Sim, eu tenho uma irmã. Já comentei aqui no blog sobre ela. Ela, que não gosta de ler o blog porque acha tudo muito complexo, muito sem objetividade, muita viagem na maionese, quando nasceu, me trouxe um trenzinho de brinquedo.

Pelo menos foi isso que meu pai e minha mãe disseram quando ela veio ao mundo...

Psicologia infantil.

Isso faz um beeeem... principalmente pra pais e mães que se "sentem culpados".

Uma bobagem. Menino de 4 anos pode ser ingênuo, não retardado.

Resultado: ludoterapia. Terapia de jogos. (legal!) Na terapia, uma boneca com um fechecler na barriga de grávida. Quem disse que a terapeuta conseguiu fazer a criança de 4 anos abrir?

Pula na grama, Henrique. Sua avó merece. E se vier irmã, relaxa. Ela não vai fazer gol. E mesmo que faça, você vai amá-la pra todo o sempre pro resto da vida...


Nenhum comentário: