quinta-feira, 16 de julho de 2009

Claras Passadas


Eles se conheceram assim.
Correndo.
E ouviram a música que corre em suas veias.
Ele, um iniciante nas corridas, ela, uma veterana.
Ele decidiu fazer uma maratona. E pediu a ela que o encontrasse no km 30.
Ela, sonhadora, amorosa, entendeu que aquela corrida era a alegoria de sua vida, o exemplo de seu sonho, o desenho de seu coração, a imagem dos seus desejos mais profundos.
E fez isso: no km 30, ela estava lá.
Ele achava que estava em ótima forma.
Ela achava que ele já estava delirando.
Na verdade era ela que o movia.
O combustível, o amor, a cada passo, a cada verso,  pulmão cheio.
Inspiração.
Era ela, passo a passo, noite e dia, razão e emoção, vida e morte, compreensão.
Era ela, resultado, desafio, união, paradigma, noção.
Era ela, só podia ser ela.
Foi quando seu coração deu o grito.
E do fundo, bem do fundo do ser, do não ser, do indizível, ele disse, simplesmente: quer casar comigo? - foi no km 32.
Ela ainda achou que ele estava delirando...
Mas a adrenalina passou.
A linha de chegada passou.
E os dois entenderam que nada, NADA tinha sentido se não fosse correndo juntos, se não fosse caminhando juntos, se não fosse com passadas, compassados, de mãos dadas.
E daquele dia em diante, decidiram que seria assim. Os dois, os uns, o ums. Passo a passo. Um, o outro, os dois. O dois.
Ela, clara, como luz. Ele, conduz à paz.
E eu, daqui olhando, querendo descobrir se aprendo alguma coisa...

2 comentários:

NathaliaDiniz disse...

Coseguiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!
huhuuuuu!!
Beijoooos lindo!

Branca disse...

Que perfeito!