sexta-feira, 29 de maio de 2009

éloigner


A tradução seria, na verdade, elonjar. Mas não temos este verbo em português.

não?...

Tá, tudo bem, pode-se traduzir por distanciar, mas não me parece a mesma coisa...

Quando você lê as palavras:

LONGE     e     DISTANTE,

você tem a mesma impressão?



Você preferiria que alguém estivesse longe de você ou distante?
Será melhor que alguém se distancie ou se elongeie?
Acho que tenho me distanciado de muita gente de quem eu não gostaria.
E, infelizmente, tem outras pessoas se elonjando cada vez mais de mim.

Poxa, se não temos o verbo elonjar, por que então temos o verbo apertar?

Tem hora que tudo o que a gente queria era poder apertar*... 



(*ah, aproximar nem dá o mesmo efeito...)

terça-feira, 26 de maio de 2009

Eu SEI Deus.


Ênio, o nome dele; professor de física do terceiro ano científico do Colégio Pitágoras. E me ajudou a experimentar a água antes de entrar. 
Foi quando comecei a namorar com o que não passa só pelo logos. Parece incoerente, não?
...
Eu já quis fazer física... era uma das minhas opções para o vestibular.
Foi o Ênio que montou um curso de Filosofísica com a professora Angélica, de Filosofia, outra peça incrível, inigualável...

Dos dois, várias lembranças que jamais vão roubar de mim... Duas posso contar agora: dele, um pensamento. Dela, um comentário. 

Ele me contou que um amigo dele, ao ser questionado: você acredita em Deus?, respondeu: Eu Sei Deus. Acreditar e saber, diferença fundamental.

Ela, anos mais tarde, me encontrou e me perguntou: Bê, como você aguentava aquela turma? Você era tão diferente de todos eles...

Na época, entendi o que ele quis dizer. Hoje, compreendo. Na época, compreendia a diferença que ela via. Hoje, entendo.

Entender e compreender. Peças chaves pra fazer nosso mundo andar. Que entendamos o valor da compreensão. Para andar no mundo, andar...

Ainda sobre o desejo

Numa das fontes do desejo mais conhecidas do mundo, desejei voltar. 
E meu desejo foi realizado... 

video

Na viagem mais viagem de todas, Eu, Dan Zecchinelli e Wagner Lanna, escrevemos nossos eus com letras maiúsculas. E ousamos a simplicidade do encontro, da alegria desmedida, da reflexão comedida, da medida do um, do outro, do outro, do todos. Tudo ao mesmo tempo naquela hora. E caminhamos. Caminhamos por sobre o velho mundo e, como "Zazie no metrô"*, ao final de seu percurso "por Paris", sós, só soubemos responder: - envelhecemos!
...
Se deseja muito. 
Como desejar o que ainda não, se conhece?

"Se" é o sujeito da primeira frase do segundo parágrafo.

Até a volta! (ou deveria dizer... até as voltas?!?...)

*Zazie dans le métro, livro consagrado do escritor francês Raymond Queneau, traduzadaptado em filme em 1960 por Louis Malle, acaba de ser traduzido para o português em um livro absolutamente lindo da COSACNAIFY. Trabalho primoroso, acredite.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Para João me abençoar


desejo o mesmo 
desejo mais 
desejo tudo que a palavra mandar.
assim como me dói o lá no meio da palavra
me dói o se no meio do desejo
e se não for no meio para o meio 
que borda seja a praia, sua chegada
que quando chegue o medo, eu pule n'água 
e no mergulho, molhado, a terceira margem

corrente SEM corrente



Falei pra minha amiga que tá (hoje) com uma vontade enorme de continuar sofrendo:

... sabe de uma verdade? A alegria dá mais medo que a tristeza... a tristeza é mais fácil de domar, porque a gente não tem medo de perdê-la. Então a gente pode meter o pé pelas mãos com ela, fazer tudo errado, porque... não se tem medo de perder a tristeza. Se ela se fôr, melhor ainda... por isso abusamos, e não temos medo de VIVER na tristeza. 
Acontece que a alegria, não... com a alegria não é assim. Por ter medo de perdê-la, a gente muitas vezes prefere nem tentar... e surpreendentemente ESCOLHEMOS viver na tristeza, com medo de perder a alegria.

Talvez essa minha amiga não saiba. Mas essa é manjada: "A dor é inevitável. O sofrimento é opcional." E escolher sofrer é para os fracos.

Por isso, vai minha sugestão de corrente SEM corrente. Não precisa divulgar, não precisa falar pra ninguém que funciona, não precisa falar pra ninguém fazer com sete amigos, ou dez, ou vinte, ou dois, enfim...

Saia espalhando amor. AGORA. Faça um carinho, faça um elogio, sorria, pergunte se quer ajuda, ajude a empurrar, abrace, ligue pra quem você não fala há algum tempo... e pra quantos você quiser, não tem regra. Mas faça HOJE.
Você vai ver que sua colheita vai ser em breve. E farta.

Quer apostar? 

terça-feira, 19 de maio de 2009

ser ou não ter relações a-morosas?























Nova postagem, novo sonho.
Nova vontade de ser lido, por dentro e por fora, ser ouvido.
Que o rico entendimento do não seja tom, 
na profunda profusão de sentidos
e que o ambíguo conceito do sim seja dom, 
na complexa relação da alteridade.
O eu e o outro, o som e o silêncio - de quem escreve e de quem lê -, o circo e o pão:
o entendimento perfeito das diferenças entre o ser e o ter 
e suas consequentes relações a-morosas...

Ame-te muito...

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Mitifique-se


Bono Vox já peidou na água.
Carla Bruni já engoliu chicletes.
David Beckham já lavou cueca com freio de bicicleta.
Rodrigo Santoro arrota com Coca-cola.
Flávia Alessandra tomou remédio pra verme.

Aposto que o Papa tira meleca.


quarta-feira, 13 de maio de 2009

Fragmento de um bate papo


Penso muito.

Mais do que deveria? 

Conversando ontem com uma amiga, algumas questões de ordem filosófica vieram à tona. Uma delas foi referente à liberdade. Ela me disse que queria a todo custo TER a liberdade que sempre sonhou. Tanto a liberdade quando a alegria. 

Ter?


Liberdade, assim como a Alegria, são conceitos abstratos de apreensão impossíveis. São como passarinhos que pousam em nosso jardim.

Eles comem na cumbuquinha que colocamos lá, pra eles, mas não podem ser presos. Não há gaiolas de prender liberdade e nem alegria. Isso contraria sua gênese, sua morfologia, seu espírito... Não há como prendê-los. É como o amor. Custei a descobrir isso. Por tentar prendê-lo, ele se foi... e pode ser que não volte mais. Descobri que temos que manter sempre uma vasilhinha cheia de água, alpiste, frutas, cuidar das plantas, proteger os ninhos.

Aí, quando voltarem, quem sabe resolvem chocar numa árvore que dá sombra em meu quintal?

segunda-feira, 11 de maio de 2009

corrente do bem 01

Uma bloggueira interessantíssima, (http://www.paticastro.blogspot.com/) me presenteou com essa corrente do bem. 

Eu simplesmente DETESTO correntes. Mas como gosto da bloggeira, do que é interessantíssimo e gosto do "bem", resolvi ceder. E dizer 8 coisas que desejo antes de morrer.

E a corrente tem umas regrinhas. Vamos à elas.


1 – A pessoa selecionada deve fazer uma lista com oito coisas que gostaria de fazer antes de morrer.

2 - É necessário que se faça uma postagem relacionando estas oito coisas e é necessário que a pessoa explique as regras do jogo.

3 – Ao finalizar, devemos convidar oito parceiros de blogs.

4 – Deixar um comentário para quem nos convidou.


Agora minha lista: 
1 - desejo gravar uma música com Gilberto Gil.
2 - desejo cantar em um show pra 100 mil pessoas.
3 - desejo amar incondicionalmente minha mulher.
4 - desejo ter um, dois ou três filhos.
5 - desejo que eles tenham saúde por toda a vida e gostem de música.
6 - desejo que as pessoas que amo saibam da verdade e da intensidade do meu amor.
7 - desejo que eu veja o Galo ser campeão mineiro, brasileiro, da libertadores e do mundial de uma vez só.
8 - desejo que a lista acima seja colocada no meu baú de sonhos realizáveis, que fica na sala da minha casa e que um dia vou falar sobre ele aqui no blog...

Agora os blogs que presenteio:
http://ligadon.blogspot.com/
http://omicronico.blogspot.com/
http://renatafeldman.blogspot.com/
http://eucaliptosnajanela.blogspot.com/
http://velhoesquemanovo.blogspot.com/
http://marcelocoelho.folha.blog.uol.com.br/
http://hojevouassim.blogspot.com/
http://www.bouquetgarni.com.br/quitanda/

Haikai, mas continua


Só corro.
Só, corro.
- Socorro!



sexta-feira, 8 de maio de 2009

Capítulo 1


Era uma vez 
uma Princesa.

Ela morava lá no alto, cercada por 4 feras, orquídeas selvagens, chifres de veado, palmeiras, frutas de todos os tipos, plantas ornamentais, cascata, um lago e uma vista privilegiada. De lá se via ao longe. De lá, via-se atrás das casas do Reino, do mar de morros que se extendia até onde a vista pudesse voar.

De lá se ouvia os gritos que a atordoavam durante o dia e a noite, de uma bruxa equivocada, que não sabia conjugar o verbo encontrar.

Como sonhava essa Princesa.

Ela sonhava que o mundo era rosa. E que o Príncipe viria num cavalo branco, paciente, sem traumas, sem defeitos. Sem de feitos.

Mas esta história de contos de fadas se cruzou com uma narrativa mítica e, da clássica estrutura do Caminho do Herói, surge o Príncipe, machucado, vítima de tantas batalhas e sonhos, que seu coração foi transformado magicamente em pedra para não ser atingido por nenhuma flecha e ele poder voltar são e salvo para suas terras férteis, sua choupana, seu alaúde, seu baú, seus livros e discos e nada mais... E justamente este príncipe, tropeça na narrativa mítica e, através de um portal mágico, cai 7 dias e 7 noites até aterrisar no Reino da Princesa...
(continua...)

quarta-feira, 6 de maio de 2009

When you wish upon a star

Minha motoquinha do homem aranha contemporânea...
"Papai noel, tudo bem?"

terça-feira, 5 de maio de 2009

O imperativo de colher


A sorte nos pede carona. Ela é órfã.
Ela não quer ficar ali, na estrada, na margem. Ela sabe da terceira margem como Guimarães Rosa.
E nós somos trem... Talvez deixemos ela embarcar.
Pois sabemos das nossas escolhas. Delas surgem nosso passado.

A mãe do passado se chama "Escolha".
O pai sou eu. 

Fecundo a escolha. Faço amor com ela muitas vezes. Mas, de vez em quando, só sexo. Sou meio avoado. Às vezes, desleixado. E ela é a parideira mais safada que existe. A mais fértil de todas. Vou enchendo meu trem-ninho de ovos. E sei que suas cascas vão romper um dia. Por isso não é má idéia adotar a sorte pra chocar os ovos que ainda estão por vir...

O problema da escolha é que ela realmente engravida. Ela é terra preta, rica de nutrientes, aerada, húmida, cheia de minhocas, humus-intellectus(?)
Devemos ser bons amantes das escolhas. Devemos ser amigos delas. Devemos lembrar dos seus aniversários, comprar presentes caros, ouvir suas súplicas, sentir seus suspiros, ouvir seus queixumes. As escolhas fazem biquinho...
Precisamos a qualquer custo saber de seus sonhos e o que as fará felizes conosco. As escolhas são pandoras, com seus vestidos curtos transparentes, com caixas prateadas e faixinhas no cabelo.

Cuidado com as escolhas... O espírito santo do deus linguagem nos sopra seu mistério, dando a pista: Eis! 
(E o resultado?) Colha. 
 

segunda-feira, 4 de maio de 2009

a mar



Estudar francês tem sido um des a fio.

Interessante como várias palavras em francês têm gêneros distintos do português.



Mar, por exemplo.
Em francês, mar é feminino...
Mar é abundância, riqueza, terra arada, árvore florida, cesto de frutas, horta cheinha.
Mar é esperança: nos embala, nos conduz à terra, nos banha e nos iguala.
Mar é molhado, lindo, reflete a lua, chacoalha as estrelas. Espelha os sonhos, conduz aos peixes, traz a lembrança.
O mar nos acolhe. Deixa que a gente mergulhe. Se nós o bebemos, ele nos come.
O mar é grávido. 
E todo dia amanhece, vivo, ávido, fluido, brilhante.
O mar nos desafia.
Definitivamente o mar é mulher: a mar



Deito-me à sombra do árvore para ver e ouvir a mar.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Blog da Branca




Branca eu não conheço. Mas parece ter varinha de condão. 
Por isso me inspirei em seu blog e o traduzi pra mim assim:



Branca soma das cores
branca luz da manhã
branca esperança verde lembrança
do sentido sem sentido
do não saber, do não, querer...
Ouse lembrar
ouse aquecer
ouse buscar 
saiba merecer.
Medo? Dome.


veja como te inspira: http://scriptmanent.blogspot.com/