quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Idílico e lúdico


Além do sol, atrás das nuvens, por sobre as montanhas, depois do terreirão de café, vazio, lá não estou. Aqui me encontro a observar o terreirão, as montanhas, as nuvens, a tentativa do sol aparecer. Sou fato. E atravesso a paisagem com o olhar de quem, daqui, tem coragem de desbravar. A gameleira não podia ser mais bonita. O coqueiro não poderia estar em melhor lugar. O restolho de mata atlântica que cobre o mar de morros não pode ser mais real, mais preservado, mais adequado, mais compassado com meu coração de herói. O verde faz sua graça, e tenta sair por entre os tijolos do terreirão, a natureza agradece o esforço. O sabiá irrita de tão bonito. Seu canto desafia. Chama para a batalha e vence. Não há perdedor. Há o sabiá, a gameleira, o terreirão, o verde, o coqueiro, a mata, as montanhas, as nuvens, o sol, o caderno, a caneta, e eu.

3 comentários:

Bê Sant Anna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fabiteste disse...

Que liiindo, Bê.
Bjos,
Fabiana

Carol Vaz disse...

Você realmente é um grande escritor...

Beijos saudosos,

Carol Vaz